Vagabundeando

Esse trecho foi extraído do livro Vagabonding de Rolf Potts, até agora não-traduzido para o português.


Há uma história que vem da tradição dos Padres do Deserto, que viviam nas terras abandonadas do Egito cerca de 1700 anos atrás. No conto, dois monges chamados Theodore e Lucius compartilharam o desejo agudo de sair e ver o mundo.
Uma vez que eles tinham feito votos de contemplação, no entanto, isso não era algo que eles podiam fazer. Então, para saciar o seu desejo de viajar, Theodore e Lúcio aprenderam a “zombar de suas tentações”, relegando suas viagens para o futuro. Quando o verão chegou, eles disseram um ao outro: “Sairemos no inverno.” Quando o inverno chegou, eles disseram: “Sairemos no verão.” Eles continuaram assim durante mais de cinquenta anos, nenhuma vez deixando o mosteiro ou quebrando seus votos.

A maioria de nós, é claro, nunca tomou tais votos — mas escolhemos viver como monges de qualquer maneira, enraizando-nos a uma casa ou uma carreira e usando o futuro como uma espécie de ritual falso que justifica o presente. Desta forma, acabamos gastando (como Thoreau diz) “a melhor parte da vida ganhando dinheiro, a fim de desfrutar de uma liberdade questionável durante a parte menos valiosa da mesma.”
Adoraríamos largar tudo e explorar o mundo exterior, dizemos a nós mesmos, mas o tempo nunca parece certo. Assim, dada uma quantidade ilimitada de opções, escolhemos nenhuma. Fixando-nos em nossas vidas, nos tornamos tão obcecados em nos segurar às nossas certezas internas que esquecemos porque as desejamos em primeiro lugar.

Advertisements
Standard

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s