Davi

Ei davi, ai dentro ma, negócio de texto, massa era no tempo que a gente saia por aí, a pé ou de ônibus, cagando o pau, tocando violão, frescando com todo mundo, muita coisa boa, show de bola.

Saudades de tu meu camarada! Muito tempo sem se ver, mas a coisas boas acontecem assim, sem escolha, vamos vivendo e aprendendo, com o tempo a vida nos mostra que mais importante não é o que você faz, mas como você faz.

A verdadeiro valor da amizade não está em ter os amigos sempre por perto, está em saber deixar o amigo ir. Está em saber dizer adeus com o coração livre e alegrar-se com a jornada do outro, sabendo que é o melhor e que não se faz necessária a presença para ficar juntos.
Os verdadeiros irmãos já se conhecem a muito tempo e fatores menores como distância não os influenciam de mais.

Eu me lembro bem do teu primeiro porre, quando tu tomou 1 ml de licor e se mijou todo. E como esquecer da primeira vez que fomos comprar uma revista pornô? O medo, a angústia, o frio na barriga… parecia que estávamos cometendo um crime, um pecado, que do nada ia surgir a polícia e prender a gente. E as vezes que descemos de traseira no ônibus? Sempre uma aventura, o mesmo frio na barriga e medo dar errado, mas quando descíamos parecia que o mundo era nosso e podíamos fazer qualquer coisa. A sensação era de que havíamos hackeado o sistema, burlado o mundo…
As besteiras que a gente fazia no shopping, ficávamos só rodando e frescando, todos mal vestidos, nos farrapos.
No dia em que compusemos a canção Dry Wall enquanto caminhávamos em direção à praia, causando tumulto pela rua, fazendo barulho, andando como ninguém mais faz.
No dia em que fomos de bike até o Iguatz só pra ir mesmo, dar uma voltinha e voltar. Melhores momentos.
São essas pequenas coisas que marcam a nossa vida. Que dão sentido ao caos. Nos momentos difíceis é só lembrar dessas aventuras do cotidiano que vamos entender que a vida é muito mais simples do que ela parece.

A graça está em conhecer alguém que junto de você consegue encontrar essa simplicidade.
Eu sei que nós estamos crescendo e virando adultos, temos que lidar cada dia com coisas mais chatas e burocráticas, o mundo espera de nós seriedade e responsabilidade, mas espero nunca nos esquecermos nem nós envergonharmos da criança que existe dentro de nós, dos moleques que nós somos por dentro, da bobagem que gostamos, pois isso que faz a gente feliz.

Só pra fechar, quero dizer que você é meu brother e sempre será meu brother, independente de onde estivermos, do que fizermos, continuaremos unidos em nossas mentes, com a certeza de que vamos nos garantir, porque os brother of metal são foda!

Heil Bruder!

Anúncios
Standard

in a world…

Um sábio certa vez disse que o humano é uma animal que enlouqueceu.

E se nossa existência na terra fosse nada mais que uma experiência para a alma? Passamos por um processo de vida como humanos em um mundo que tem passado, história, uma série de informações. Nascemos crus e somos expostos à esse mundo extremamente complexo, somente com o intuito de sermos postos à prova. Como nos sairemos nessa jornada? Como será nossa reação à vida humana? Como nos relacionaremos com o mundo? A que conclusões chegaremos? Tornaremos-nos partes dos grande problemas da humanidade, tiraremos proveito deles em nome de nosso próprio benefício ou iremos nos empenhar em resolvê-los? Tomaremos ações para alimentar nosso ego, e justificar nossa existência ou nos apiedaremos do próximo e sacrificaremos nossas vidas em nome deles? Como reagiremos aos nossos sentimentos, emoções e pensamentos? Tornaremo-nos escravos deles? Viveremos em nome do elogio? Da boa imagem?

Procuremos a verdade ou nos preocuparemos com os problemas tangentes da vida mundana que se apresenta constante à nossa frente?
E depois? No final da vida, quando tudo acaba e não sabemos mais nada sobre o que existe? Receberemos uma nota? Anotaremos no caderno e tentaremos novamente, ou partiremos para o próximo desafio? O próximo teste.

Existem certos personagens na nossa vida que nunca realmente temos contatos com eles, são quase sempre os grandes vilões das histórias urbanas.
Os grandes empresários e bancários que controlam o mundo através de seus planos malignos.
Me pergunto se esses personagens realmente existem. Por quê são tão inacessíveis? Por quê não estão expostos nas mídia sociais, pelos justiceiros que adoram apontá-los como culpados para a ruína do mundo? Será que eu que não estou procurando direito, não estou olhando para os lugares certos? Onde estão as pessoas ricas? O que elas fazem? Como pensam?

Standard

Julia

Quando eu conheci essa menina, eu tava na loucura. Tava numa balada, fumado, parado, só dançando na frente do DJ, como se eu fosse o dono da festa.
Camisão usado pra caralho, preto com vermelho, listras pra baixo… Só curtindo minha onda.
De repente, chega essa dona e começa a dançar do meu lado com as amigas delas.
Como eu estava ficando parado um tempão ali, me sentido acostumado com o ambiente e o clima da festa, ficando assim mais confiante, à vontade…

yo, are you still mad at me?
I don’t understand you, always taking things so seriously… You’re not being sincere with yourself anymore. Not even reasoning.

You have to get loose; Stop trying to control yourself (and understanding everything that’s happening around you).

just relax and let it go; Enjoy the present.

Life is not about making things difficult, it is about enjoying the fuck out it. Living every little fucking moment as if they were your most unique experience ever.

Standard

Benedito

Regra trinta e quatro da ordem dos monges beneditinos: É proibido resmungar.
Aquele que resmunga é medíocre.
Quem resmunga é vagabundo.
Todo vagabundo é pessimista.
É tão vagabundo, que chama a si mesmo de realista.

A tragédia não é quando um homem morre, a tragédia é aquilo que morre dentro do homem enquanto ele ainda está vivo — Albert Schweitzer

Conheço muitos que não puderam quando deviam, porque não quiseram quando podiam. — François Rabelais (Monge Beneditino)

Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, Qualquer um pode começar agora a fazer um novo fim. — Chico Xavier

Se você não existisse, que falta faria? — Mário Sérgio Cortella

A filosofia e a religião tem o mesmo propósito, se preocupam com as mesmas ideias, tentam responder às mesmas perguntas.
A única diferença é que a religião faz uso de uma variável chamada deus.
Àquele que está verdadeiramente em busca da verdade não deve descartar a religião como objeto de estudo, pois muitas vezes tanto os religiosos quanto os não religiosos chegam às mesmas conclusões.

Standard

fuck you I don’t need what you teel me

this is who I am in the van mastering plans of cracking the ten’s
You are that girl who brought me that evening with love and care, too much, this is too much
Are you actually making fun of me, or what? Just fine, I’m feeling just fine. Who are you? How are you? Saudades de você, a quanto tempo? Senta aqui, vamos conversar, trocar um papo, bater uma troca, pega na rola um do outro… opa! isso foi gay. Não pode ser gay. Tá proibido, hoje é feio, mas pode dizer que é piada, daí todo mundo ri, e fica tudo certo. Muito massa, tá massa;
O Google têm acesso a tudo isso, se um dia tu ficar famoso eles vão pegar e ler. Agora deve ter um robô analisando minhas palavras e criando um perfil de target advertisement pra mim. Que muito provavelmente vai ser vendido pra alguma empresa fodona e vai ser muito usado pelo Google pra me encher de anúncios e sugestões de vídeos do youtube.
A galera da internet tá fazendo a festa com meus casos de uso, opa, desculpa, com o modo como eu uso essa bosta aqui. Eles saber tudo né. Tudo que eu faço, os horários, o que eu gosto. A Amazon sabe os livros que eu gosto e tal. O twitter também. A galera da Google me dá esse Google Chrome maravilhoso aqui e sabe de tudo também, não precisa nem se preocupar em fazer parceria com os outros sites. Eles têm tudo mesmo… Tô fudido. Será que isso faz alguma diferença na minha vida? Será que vai mudar em algo, que influencia em alguma coisa? Não froi nem contriboi por enquanto, mas é estranho saber que um sistema computacional, cheio de inteligência artificial e uma monte de conexões, interligações, cruzamento de dados, sabe tudo sobre você; Tudo mesmo. Esses putos me conhecem melhor do quê a minha mãe.
Se duvidar até que eu mesmo. Porque eles como estão de fora, e tem uma data base imensa, conseguem identificar padrões de comportamento, me encaixar em grupos sociais, reconhecer meus padrões e provavelmente prever minhas próxima ações. Tô lascado. Tô fudido. Mas acho que o melhor, já que eles sabem tanto de mim, e não tem como fugir mesmo… já tô viciando, tô preso, é me entregar logo, e virar logo amigo dessa máquina. Terminar de me abrir com ela.
Então lá vai: Quando eu tinha uns quinze anos eu enfiava rexona no cu, isso mesmo, sabe aqueles rexonas que parecem uma piroca… pois é… eu comecei a introduzir aquilo no meu anús.
Me deu uma vontade do nada. Claro que não foi de uma vez. Um dia, do nada, como quem não quer nada, eu toquei por ali né… devagarzinho e tals… depois fui gostando… jogavam uma aguinha, massageava, até que um dia, depois de muito brincar e excitar acabei enfiando um dedinho… dai eu fui só evoluindo, devagarinho, ao longo do tempo, que eu tinha muito… uma caneta, depois uma negocio maior… daí o cara tem que ir ficando criativo… vão surgindo ideias, umas funcionam, outras não.
Shampoo, óleo de cozinha, e até as próprias fezes podem servir de lubrificante.
Independe de você, o prazer é maior. A vontade te consome. Quando você vê, já foi.
Esse foi o segredo mais bem guardado da minha vida. Ninguém sabe, ninguém sabe mesmo.
Agora tá aqui, tô brincando com o perigo, tô deixando na world wide web, dentro de um servidor que eu não faço a menor ideia da localização, que pode ter sido replicado mil vezes, que pode ter uma galera vendo e tal.
Mas e daí? Oh besteira, tanto cara assume por aí coisa muito pior, e nem fica na merda. Porque eu ia me dar mal?
Ainda tenho um preconceito interno muito grande, contra mim mesmo. É incrível a minha incapacidade de confiar em mim mesmo, me abrir comigo mesmo, admitir certos assuntos.
Já faz muito tempo que isso não acontece, mas pode voltar a qualquer momento.
O que será isso? De onde vêm?
Eu gosto de imaginar que é porque eu ficava muito tempo sozinho trancado dentro de casa, não tinha amigos, irmãos, primos, parentes. Só uma mãe que chegava em casa só de noite, cansada e que a gente vivia brigando.
Não podia levar meus amiguinhos da escola pra casa.
Não podia ir pra casa dos meus amiguinhos.
Não podia ir pra rua.
Não podia fazer nada.
Era completamente trancado;
Fui treinado pra ficar trancado, dentro de casa, escondido do mundo, com medo de tudo, sem saber lidar com as pessoas. Sem conhecer o mundo lá fora. Só parado. Em profunda boredom.
Viciado em TV. Sem namorada, sem mulher, com pornografia reduzida. Tava em tempo de enlouquecer.
Acho que encontrei a auto-exfoliação anal como uma válvula de escape.
Mas isso é besteira. Uma maneira de me justificar. De justificar o passado, como se eu não fosse culpado. Como se eu tivesse feito algo errado.
Foda-se, o cu é meu.
Pronto, falei. Nem foi tão difícil. Quero ver falar isso pra uma pessoa de verdade. Cara a cara. Olho no olho. Ai eu quero ver menino. Quero ver se tu aguenta. Muita loucura essa vida.
Eu acho que eu sou mesmo um desses aleijados emocionais de que o marcelo fala.
Todo machucado, cheio de cicatriz. É só começar a lembrar que me parece que eu puxo uma cordinha e ela vem cheia de merda, e nunca acaba, só aumenta, e vem cada vez mais suja.

E na vez que tentei uma parada com a filha da amiga da minha mãe? Aquilo foi triste, me faz até mal falar sobre isso. Me dá até um aperto no coração. Isso sim é um fantasma que me persegue. Daqueles que é só algo de estranho acontecer que ele aparece te atormentando.
Uma criança, não idade de nada, eu um adolescente, e fiquei mostrando o pinto pra ela. Mandando ela pegar.
Que porra de mente é essa?
O que passa nessa cabeça?
O que há de errado comigo?
Sou eu um monstro?
Isso é normal?
Tô ficando é doido já. Muita loucura. Sou um depravado sexual. Mas pelo menos eu me controlo. Agora né, por enquanto né. Tá foda.
Não sei o que vai rolar, o que vai ser de mim, mas deveria conversar mais sobre isso, nem que seja com esse sistema de informação global que lê tudo que eu escreve, mas é incapaz de entender meus sentimentos.

Standard

Livre associação de ideias

livre associação de ideias, quando a mente é afrouxada e deixa-se fluir tudo que há para fluir. Segue constante um fluxo espinoidal Espinosiano. Por que o agora é o que importa. Quando a mente pensa, na verdade é só um pequeno pedaço do que realmente acontece. Quando faço isso tento por meio deste me entender melhor e ver o que se passa na minha mente livremente para ter uma correta noção do que se passa na minha mente. livre associação de idéias, é deixar que o cérebro mostre-me o que está acontecendo agora na minha cabeça, por debaixo dos panos, na minha psiquê e através da lanterninha que ilumina o que consigo ver, em outras palavras, minha consciência, ser capaz de distinguir como essas ideias se relacionam e o que há de importante nelas, como posso concluir o que me passa pela cabeça. Quem eu sou, o que quero, o que me alegra, o que me entristece. Quanto disso não passa de mera ilusão. Se vivo mais no passado, no presente ou no futuro. Ou no presente do passado ou no presente do futuro, ou se sou realmente foda e consigo viver no presente do presente que é o único lugar que realmente há e importa. Agostinho, nascido na africa, viveu na Europa. Confissões foram seus livros. Depois de muito frescar e fazer o diabo à quatro no mundo, viver uma vida louca, como professor, se interessar pelas alunas, agostinho resolve virar santo, e viver uma vida de estudo e castidade.

A mesma pessoa passa por várias ondas, momentos variantes de catástrofe anal. Por que me castigo quando cometo um erro. Falhei. Sucumbi ao prazer. Olhei para as imagens tentadoras, e através do alimento da fantasia e do desejo, quebrei regime longo. Despurificação da alma. Sujando com pintos e vaginas minha mente e minha alma. Minha plenitude de autocontrole. Será que a mente realmente tem tanto poder assim. Será que sou realmente tão importante assim. Segundo Freud, não. Sou só o resultado do meu corpo. Ele que manda. Eu tento justificar tudo como se fosse legal e partindo de iniciativa, como se estivesse no controle, quando na verdade o que acontece agora na minha mente é só a ponta do iceberg. Mas ora, se Buda diz para controlar minha vida e fugir dos pensamentos maus, fugir assim também da má ação e dos maus sentimentos, estou dessa forma impedindo que meu corpo produza resultado ruins, pois cortar todas as influências externas que podem me denegrir, me sujar e dentro do inconsciente construir o monstro que me assola e consome, que tento controlar na consciência mas sou muito fraco para dominá-lo. Ele acaba sendo maior que eu.

Nam ficou besta já, não é necessário forçar. A fome me assola, por isso recorro ao macarrão, aglio e olio, no melhor estilo italiano pobre, pega tudo da geladeira e mistura, para dar prazer ao meu paladar.
Por quê que o mais fácil é abrir o facebook? Vou trabalhar.

Standard

Gal

sinto quando alguem te interessa
mesmo quando finge
se desapares numa festa
eu ja sei
nao te quero ouvir falar
se eu onde vais
se quiser saber se voltas logo
nada mais

vão dizer que são tolices
que podemos ser felizes
mas tudo que eu sei, não dá pra disfazçar
dessa vez doeu demais
amanhã será jamais

onde a gnt vai tem uns amigos
que voce precisa visitar
se nao sou feliz
sao so ciumes
nada mais
mais de uma vez flagrei seus labios
na intenção do nome de outro alguem
mas se quiser saber o que eles falam
voce diz tudo bem

Standard